terça-feira, 12 de dezembro de 2017

A COMÉDIA DIVINA E HEAVY METAL DO SENHOR


Sempre gostei da música Heavy Metal do Senhor de Zeca Baleiro e fiz questão de assistir no cinema o filme A comédia divina, antes que saísse de cartaz, já que infelizmente foi muito criticado e só fez 43 mil espectadores. Uma pena. Mas eu indico, o diabo volta a Terra e decide abrir uma igreja para tentar roubar ou fiéis a Deus. O filme é baseado em um conto de Machado de Assis e tem como protagonistas Murilo Rosa e Mônica Iozzi e em papel bem diferente dos dramas do passado, Débora Duboc, que inclusive já tinha participado de Cabra Cega e Latitude Zero, do mesmo Toni Venturi, que também se aventura nas comédia. Arrisque!

Heavy Metal do Senhor
Zeca Baleiro

O cara mais underground
Que eu conheço é o diabo
Que no inferno toca cover
Das canções celestiais
Com sua banda formada
Só por anjos decaídos
A platéia pega fogo
Quando rolam os festivais...

Enquanto isso Deus brinca
De gangorra no playground
Do céu com santos
Que já foram homens de pecado
De repente os santos falam
"Toca Deus um som maneiro"
E Deus fala
"Agüenta vou rolar
Um som pesado"

A banda cover do diabo
Acho que já tá por fora
O mercado tá de olho
É no som que Deus criou
Com trombetas distorcidas
E harpas envenenadas
Mundo inteiro vai pirar
Com o heavy metal do Senhor...

O cara mais underground
Que eu conheço é o diabo
Que no inferno toca cover
Das canções celestiais
Com sua banda formada
Só por anjos decaídos
A platéia pega fogo
Quando rolam os festivais...

Enquanto isso Deus brinca
De gangorra no playground
Do céu com santos
Que já foram homens de pecado
De repente os santos falam
"Toca Deus um som maneiro"
E Deus fala
"Agüenta vou rolar
Um som pesado"


A banda cover do diabo
Acho que já tá por fora
O mercado tá de olho
É no som que Deus criou
Com trombetas distorcidas
E harpas envenenadas

Mundo inteiro vai pirar
Com o heavy metal do Senhor
Mundo inteiro vai pirar
Com o heavy metal do Senhor
Mundo inteiro vai pirar
Com o heavy metal do Senhor
Heavy metal do Senhor
Do Senhor! Do Senhor!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

OITO ANOS SEM LEILA LOPES


Há oito anos, (mais precisamente em 03/12/2009) morria a atriz Leila Lopes. Ela foi encontrada morta em seu apartamento, por alguns policiais militares que foram acionados pelo telefone 190. Bombeiros detectaram que a morte foi causada por parada cardiorespiratória e segundo testemunhas não havia marcas de violência em seu corpo. Depois foi confirmado que ela havia cometido suicídio ao ingerir veneno de rato junto com pizza.

Nos últimos meses de vida ela estava passando por alguns problemas de saúde, mas tinha dado entrevista para a televisão, dizendo que já estava recuperada e só queria ficar perto de quem ela gostava.

Seu maior sucesso na televisão foi a professorinha Lu da novela “Renascer” de Benedito Ruy Barbosa que conquistou todo o Brasil. Em seguida obteve relativo sucesso com outra novela de Benedito, “O rei do gado”, mas depois ficou um tempo afastada da televisão e começava a ser esquecida pelo público.

Em 1997 foi capa da revista Playboy e em 2008 resolveu fazer um filme pornô para a produtora Brasileirinhas, “Pecados e Tentações” que tinha um diferencial em relação aos outros por ter uma história em vez de apenas cenas de sexo ininterruptas, mas mesmo assim foi muito criticada por isso, inclusive por alguns autores de novela como Walcyr Carrasco. Em seguida participou também de “Pecado sem perdão” e “Pecado final”. Depois ela justificou que todos tinham sido feitos simultaneamente e depois divididos em três. Mas parece que ela se arrependia amargamente de ter precisado participar desses filmes, mais ou menos como Linda Lovelace.

No teatro participou de 33 espetáculos, entre eles, Paixão de Cristo (1998) e Despedida muito louca (2003)

Seus últimos trabalhos foram como apresentadora dos programas “Entre quatro paredes com Leila Lopes, exibido pelo canal da internet JustTv e o “Calcinha justa” pelo Sexy prive.




Carreira como atriz de televisão:
2.                 "Entre o Amor e a Espada" (2001) TV mini-serie .... Maria Isabel
3.                 "Marcas da Paixão" (2000) Novela .... Creuza
4.                 "Malhação" (1995) TV series .... Rosa (1997)
4.      "Você Decide" (3 episódios, 1995-1997)
    - A Desforra (1997) 
    - Elvis ou Elvira (1996) 
    - O Matador (1995) 
5.                 "O Rei do Gado" (1996) Novela .... Suzane
6.                 "Tropicaliente" (1994) Novela .... Olívia
7.                 "Renascer" (1993) Novela .... Prof. Lu
8.                 "Despedida de Solteiro" (1992) Novela .... Carol

9.                 "O Guarani" (1991) Novela 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

18º PROJETA BRASIL CINEMARK



Um dia inteiramente dedicado ao cinema nacional. Este é o Projeta Brasil, evento da rede Cinemark que chega a sua 18ª edição.
Na segunda-feira, 13 de novembro, você poderá assistir a produções nacionais de grande sucesso por apenas R$ 4,00 o ingresso. A renda arrecadada é totalmente revertida para projetos e programas de incentivo à produção cinematográfica nacional.

O Projeta Brasil Cinemark tem o objetivo de incentivar o cinema brasileiro de duas formas: aproximando o público das principais obras brasileiras e reunindo recursos para apoiar premiações, projetos educativos e de acervo. 

As edições anteriores do projeto já atraíram aos cinemas mais de 2 milhões de espectadores e registramos um público de mais de 100 mil pessoas!

Esse ano a programação está vindo repleta de sucessos, com filmes como Minha Mãe é Uma Peça 2, Bugigangue no Espaço, Meus 15 Anos, Elis e mais 28 longa-metragens que vão deixar a sua segunda-feira recheada com os maiores talentos do cinema nacional.

Confira todos os filmes do 18º Projeta Brasil, abaixo:
(Os filme marcados com X foram os que eu já assisti)
(X) Minha mãe é uma peça 2
(X) O vendedor de sonhos
(X) D.P.A. - Detetives do prédio azul
(X) Um tio quase perfeito
(X) O rastro
(X) Meus 15 anos
(X) O filme da minha vida
(X) Internet - O filme
(X) Os penetras 2 - Quem dá mais
(X) Eu fico loko
(X) TOC - Transtornada, obsessiva e compulsiva
(X) Os saltimbancos trapalhões - Rumo a Hollywood
(X) Amor.com
(X) Elis
(X) Gostosas, lindas e sexies
(X) Real - O plano por trás da história
(X) Malasartes e o duelo com a morte
(X) Bugigangue no espaço
(X) Sob pressão
(X) Ninguém entra, ninguém sai
(X) Como se tornar o pior aluno da escola
(X) Chocante
(X) Galinha pintadinha mini na telona
(X) Polícia Federal - A justiça é para todos
(X) Bingo - O rei das manhãs
(   ) João - O maestro
(   ) Duas de mim
(X) Divórcio
(X) Lino
(X) Doidas e santas
(X) Como nossos pais
(   ) As aventuras do pequeno Colombo
Disponível em:
https://www.cinemark.com.br/lp/18-projeta-brasil

terça-feira, 13 de junho de 2017

AS FILHAS DA CHIQUITA


Direção: Priscilla Brasil. Documentário, 51 min.


O que poderia acontecer se mais de 4 milhões de católicos se encontrassem com 40 mil gays? É a pergunta que tenta responder esse documentário de média-metragem produzido em 2006, durante o Círio de Nazaré que acontece todos os anos no mês de outubro em Belém do Pará. Só que no mesmo dia do Círio também acontece a festa da Chiquita onde milhares de gays se reúnem. Eles esperam a procissão passar para começar sua festa, mas mesma assim a polêmica está armada. E a situação só piorou quando o IPHAN em 2004 fez o registro da festa da Chiquita como parte do Círio de Nazaré, o que irritou padres e fiéis.

Fé e pecado se misturam aos olhos dos mais fanáticos que se acham superiores. O filme alterna depoimentos das duas partes, para que se conheça os dois lados da moeda. Os gays só parecem querer se divertir, sem nenhum sacrilégio ou desrespeito à imagem de Nossa Senhora de Nazaré, enquanto alguns católicos não vêem dessa forma. A mais preconceituosa e intolerante é uma velhinha que diz que o pecado do gay é maior do que o de um assassino por ele saber o que está fazendo, enquanto o assassino poderia agir por impulso ou de cabeça quente. O depoimento de um padre não é muito diferente.

No meio de toda essa polêmica, os participantes acabam tentando traçar um painel sobre ser gay e as possíveis causas e consequências disso frente ao preconceito da maioria. Há alguns depoimentos animadores de pessoas simples que expõe o direito que cada um tem de ser o que é.

O filme que foi feito sem patrocínio abre com a música "A filha da Chiquita Bacana" de Caetano Veloso e se encerra com "Chiquita Bacana" de Carmem Miranda que eu não sabia que era tema desse filme, mas que não saiu da minha cabeça desde que li sobre o filme pela primeira vez.



sábado, 10 de junho de 2017

OS TELEFILMES BRASILEIROS

Leonardo Brício em Rei Davi

Sou apreciador dos telefilmes brasileiros. Inicialmente com os filmes produzidos para a TV Record, depois com as produções da TV Cultura, depois com os da Rede Globo, que exibiu adaptações de suas séries e mini-séries em formato de filme. Assisti a todos.

E o melhor de tudo é que são produções de alta qualidade, geralmente com duração de 52 a 130 minutos e contando com atores tarimbados tanto da televisão quanto do cinema brasileiro.

Lembrando que o primeiro longa metragem produzido especialmente para a televisão foi O boi misterioso e o cavaleiro menino, produzido em 1980 pela Rede Bandeirantes (atual Band) e que contava com Jofre Soares no elenco.

Vamos relembrar essas produções. Os filmes marcados com X são os que eu já vi...

Edson Celulari em Animal

TV GLOBO
(X) Papai Noel existe (2010)
(X) A princesa e o vagabundo (2010)
(X) Homens de bem (2011)
(X) Doce de mãe (2012)
(X) Alexandre e outros heróis (2013)
(X) Didi, o peregrino (2013)
(X) Didi e o segredo dos anjos (2014)
(X) O canto da sereia
(X) O pagador de promessas
(X) Força tarefa
(X) Maysa - Quando fala o coração
(X) A teia
(X) Ó paí, ó
(X) Dalva e Herivelto - Uma canção de amor
(X) Presença de Anita
(X) As noivas de Copacabana
(X) Dercy de verdade
(X) Lampião e Maria Bonita
(X) Anos dourados
(   ) Animal
(X) Amores roubados
(X) Carga Pesada
(X) A cura
(X) Dona Flor e seus dois maridos
(X) A mulher invisível
(X) Hoje é dia de Maria
(X) Suburbia
(X) Bode de Natal
(X) Santino e o bilhete premiado
(X) Amor ao quadrado
(X) Amorteamo

Simone Spoladore em A musa impassível

TV CULTURA
(X) A grávida da cinemateca
(X) Marulho
(   ) Trem fantasma
(X) Uma pilha de pratos na cozinha
(X) A cidade imaginária
(X) Caju com pizza
(   ) Hannya
(X) Exilados
(   ) A Queda do Dinheiro
(X) Corpo Presente
(   ) Carro de Paulista
(   ) Para aceitá-la continue na linha
(   ) Irina
(   ) Macbeto
(   ) A performance
(X) Fios de ovos
(   ) Paredes nuas
(X) A musa impassível
(   ) A mudança
(   ) Andaluz
(X) Segundo movimento para piano e costura
(X) E Além de Tudo, me Deixou Mudo o Violão
(X) A Ópera de Cemitério
(X) Vitrola
(X) Invasores


HBO
(X) Mandrake - Um filme em duas partes
(X) Alice - O primeiro dia do resto de minha vida
(X) Alice - A última noite

MULTISHOW
(X) Mangueira – Amor à primeira vista
(X) Joana e Marcelo – Amor quase perfeito
(X) Amor que fica

BAND
(   ) O Boi misterioso e o vaqueiro menino

FOX
(X) Politicamente incorreto
(X) Na mira do crime
(X) Refém
(X) 1 contra todos


quarta-feira, 7 de junho de 2017

A VIA LÁCTEA


Direção: Lina Chamie. Com: Marco Ricca, Alice Braga, Fernando Alves Pinto, Mariana Lima. 89 min.

Depois de Tonica Dominante (2000), Lina Chamie retornou com esse filme de amor sensível e delicado, que conta a história de um casal que está se separando, ele (Marco Ricca) é escritor, ela (Alice Braga) é atriz de teatro. Os dois se conhecem e se apaixonam durante uma montagem da peça “As bacantes” de José Celso Martinez Correia, mas depois de um tempo, a convivência e as diferenças parecem falar mais alto. O fim do romance acontece por telefone, mas como ele não se conforma, enfrenta um engarrafamento para ir até a casa dela tentar a reconciliação. Durante essa viagem, que dura o filme todo, são recitados poemas de Carlos Drummond de Andrade e Mário Chamie, pai da diretora, ao som de música clássica e a música “Estrela” de Gilberto Gil.

O maior arrependimento dele foi ter falado palavras que não devia, como demonstrar ciúmes por um colega dela, Thiago (Fernando Alves Pinto, que protagonizou Tônica dominante). O filme faz muitas viagens no tempo enquanto ele está no trânsito, são intercaladas cenas de quando os dois se conheceram, a briga, as lembranças da mãe (Mariana Lima) e um acidente de trânsito que só será desvendado ao final.

“A via láctea” é um filme diferente do que estamos acostumados a ver, mas contado de uma forma tão bonita e especial, que não há como não se emocionar e se envolver com a história desse casal que ainda se ama, mas enfrenta empecilhos em sua relação. O elenco é bastante reduzido, além de Marco Ricca e Alice Braga, Fernando Alves Pinto aparece como o pivô da briga e Mariana Lima em uma única cena. Apesar do elenco pequeno e de algumas cenas contemplativas, em nenhum momento o filme é chato ou cansativo. Com certeza, um dos mais belos filmes de amor que assisti nos últimos tempos.


domingo, 4 de junho de 2017

ALICE BRAGA


Alice Braga nasceu em São Paulo em 15 de abril de 1983. É filha de Ana Braga e sobrinha de Sonia Braga. Claro que isso influenciou seu início na vida artística em comerciais e peças de teatro e depois no cinema, onde estreou no curta-metragem Trampolim (1998), mas seu primeiro papel de destaque foi em Cidade de Deus (2002). Depois de um intervalo de 3 anos, participou de Cidade Baixa (2005) e de Só Deus sabe (2006), uma co-produção Brasil/ México que começou a abrir as portas para o mercado internacional. Nesse mesmo ano, atuou também na co-produção Brasil/ EUA, 12 horas até o amanhecer e no muito elogiado O cheiro do ralo.

Em 2007 atuou ao lado de Will Smith em Eu sou a lenda, ficando ao seu lado durante toda a projeção. Foi o início de seu sucesso internacional. Hoje é uma das atrizes brasileiras de maior visibilidade no cinema americano, ficando de igual pra igual com sua tia Sonia Braga. Está em cartaz nos cinemas com o grande sucesso A Cabana em que faz o papel da Sabedoria e já começou a gravar a 2ª temporada da série The Queen of the south (A rainha do sul) onde faz a protagonista.

Mesmo com o sucesso no cinema americano, nunca abandou o cinema brasileiro. Em 2013 atuou em Os amigos, em 2014 em Muitos homens num só e Latitudes e em 2016 Entre idas e vindas.

Gosto muito de Alice Braga e já vi todos os seus filmes.


Filmografia completa:
2.      A Rainha do Sul (Série) (2016 – 2017)
3.      Entre idas e vindas (2016)
4.      O duelo (2016)
5.      Mate-me mais uma vez (2014)
6.      O ardor (2014)
7.      Muitos homens num só (2014)
8.      Latitudes (2014)
9.      Os amigos (2013)
10.  Elysium (2013)
11.  Na estrada (2012) 
12.  Uma vida inteira (2012) – curta metragem
13.  O Ritual (2011) .... Angeline
14.  "As Brasileiras" A indomável do Ceará (2012) Seriado de TV
15.  Predadores (2010) .... Isabelle
16.  Repo men – O resgate de órgãos (2010) .... Beth
19.  Ensaio Sobre a Cegueira (2008) .... Woman with Dark Glasses
20.  Cinturão Vermelho (2008) .... Sondra Terry
21.  Eu Sou a Lenda (2007) .... Anna
22.  A Via Láctea (2007) .... Júlia
23.  Rummikub (2007) .... Filha paulista (curta metragem)
24.  O Cheiro do Ralo (2006) .... Garçonete Dois
25.  12 horas até o amanhecer (2006) .... Monique
26.  Só Deus sabe (2006) .... Dolores
27.  "Carandiru, Outras Histórias" (2005) Seriado de TV .... Vânia
28.  Cidade Baixa (2005) .... Karinna
29.  Cidade de Deus (2002) .... Angélica